segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Um jovem de fibra

. segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Era um rapaz que tinha apenas catorze anos. Ocupava-se em entregar frutas a um grande armazém de uma pequena cidade.

Quanto devo a você? Perguntou o comerciante ao rapazinho, ao terminar este de descarregar as frutas. Não me parece que já seja homem para dizer-me quanto devo.

- Sim, posso, posso dizer – replicou o jovem, prontamente. Logo se pôs a consultar as anotações que fizera em sua caderneta. Tornou a verificá-las, para estar certo de que não se havia enganado na soma. Disse, depois:

- A conta é vinte mil réis.

- Dez mil réis, não são? Disse o comerciante, procurando experimentar o rapazinho.

Depois de passar as cifras pelas engrenagens metálicas, voltou:

- Você tem razão, rapaz; são vinte mil réis mesmo. Diga-me: que idade tem você?

Respondida a pergunta, volveu o negociante:

-Você é quase um homem. Só falta uma coisa – é um bom trago de pinga. Não pagarei a você sem que o beba. Venha cá, comigo.

- Eu não bebo! Respondeu apressadamente o jovem.

- Mas beberá desta vez! Gritou o homem, pegando o rapaz e arrastando-o para o lugar das bebidas.

Sem dúvida, o comerciante estava embriagado, senão não faria isso.

O pequeno esbracejava desesperadamente e olhava com ansiedade para todos os lados, ao ser arrastado para o bar. Notou então, na mesa, várias garrafas de gasolina. Passou-lhe, aí, uma idéia pela mente.

- Que quer que sirva? Perguntou ao chefe o que atendia ao balcão.

- Dê-me um trago de pinga forte, disse o comerciante.

- E para mim, um copo de gasosa, pediu o jovem.

O homem bebeu rapidamente seu trago, e em seguida tomou um copo dágua, para tirar o gosto forte da boca. Olhou para o rapazinho, e viu que estava tomando soda, e não pinga.

- Ah! Você não vai se escapar assim, não! Grunhiu irado, o borracho. Você vai beber um trago de pinga.

Pegando novamente do garoto, gritou ao caixeiro que trouxesse mais pinga e o ajudasse a fazer aquele “malandro” beber. Como era ligeiro e forte, o rapazinho conseguiu derrubar o borracho, e estava para fugir quando o caixeiro do bar o segurou por trás. Pegando-o pelas costas e com a ajuda de seu patrão embriagado, procurava introduzir-lhe entre os lábios um copo de bebida.

A uma mesa no canto do salão estavam três homens jogando. Um deles, de aspecto bastante rude, alto e forte, com os cabelos em desalinho e com tabaco a escorrer dos cantos da boca, parou de jogar para presenciar a cena. Viu que aqueles dois homens estavam maltratando um menor de catorze anos, e começou a refletir. Acendeu-se em seu íntimo, então uma fagulha de virilidade e sentimento de justiça.

Imediatamente, duas mãos fortes pegaram o caixeiro por trás e o lançaram pesadamente ao solo. Quando o comerciante se endireitou, assustado, o homem segurou-o também, arrastou-o até à porta da rua e o jogou fortemente na calçada, dizendo-lhe que voltasse para o armazém e ali ficasse até aprender a ser homem. Enquanto isso, o rapazinho fugia apressadamente e tomava seu carro.

Como tivesse medo de voltar ao armazém para receber o dinheiro que lhes devia, entregou o resto da carga a outras casas comerciais, e horas depois se aproximaram, cautelosamente, daquele lugar. Vendo que o patrão não estava, dirigiu-se rapidamente ao caixa, apresentou sua conta e recebeu a importância. Mas ao sair encontrou o chefe, que estava na porta da rua.

- Venha cá, diz o comerciante, um tanto calmo, quero: conversar com você um instante.

Vendo que sua atitude parecia ser mais amistosa e de respeito, o rapazinho atendeu. Foi com ele, a seu convite, até ao escritório.

- Você é um homem, um verdadeiro homem, diz o comerciante. É o primeiro rapaz que vejo passar por uma prova como esta sem beber coisa alguma. Você é um jovem de fibra. E disse mais, ao rapazinho, que ia sair em férias, mas que ele podia continuar trazendo suas mercadorias, todas as semanas.

- Não traga menos do que você tem trazido, até eu voltar. Apresente-me então a conta e pagarei a você. Confio no que me disser.

Semanas depois, ao regressar o comerciante, cumpriu sua palavra, pagando tudo que o jovem disse que ele lhe devia. Logo terminaram as férias e o rapazinho tinha de voltar para o ginásio. Foi despedir-se de seu freguês, comunicando-lhe que ia continuar os estudos e passar para um ano mais adiantado.

- Deixe os estudos, diz-lhe o comerciante. Preciso de um jovem honesto como você, que tenha bastante caráter para ficar firme no que é direito. Quero que trabalhe comigo.

E o homem fez o oferecimento de bom ordenado e muitas vantagens. Mas isso de nada valeu. O jovem, que tinha firmeza de propósito para não beber pinga, custasse o que custasse, também possuía fibra para não se iludir com aqueles oferecimentos e abandonar seus estudos.

Esse rapaz é agora homem feito, e leciona num conhecido estabelecimento de ensino.

0 comentários:

 
Namablogkamu is proudly powered by Blogger.com | Template by o-om.com