segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

As estrelas são para nos guiar

. segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Bruce queria acompanhar seu pai nas planícies do grande Deserto de Gobi. O Gobi se estende por muitos e muitos quilômetros, mas com muito poucas marcas ou sinais que indiquem a direção. Existem somente quilômetros de planícies onduladas – sem estradas, sem árvores, sem cidades e sem vilas.

O pai de Bruce ia com freqüência ali, porque, bem distante, além daquelas planícies, estava uma importante sede da missão. Mas era uma viagem longa, muito cansativa, e a pessoa tinha que levar tudo o que precisava, colchonete para dormir, coisas para comer e roupa suficiente para todo o tipo de temperatura. E se estivesse na época das chuvas, qualquer tipo de viagem seria muito difícil.

O papai estava se preparando para a viagem, e Bruce tinha esperança que poderia ir junto. Depois de muitas considerações sobre o assunto, e tendo de fazer uma preparação adicional, o papai decidiu que Bruce poderia ir junto desta vez. O pai carregou o carro na noite anterior, e tudo estava preparado para a partida na manhã seguinte.

“Vamos”, disse o pai, “está na hora de acordar, já é tempo de tomarmos nosso caminho”.

Bruce esfregou os olhos, se espreguiçou um pouco, e somente meio acordado, lembrou que naquela manhã iria acompanhar o pai na longa viagem. E assim, rapidamente, saiu da cama, se vestiu, e bem depressa estava sentado à mesa, tomando seu desjejum na madrugada. O papai estava colocando as últimas coisas no carro, esquentando o motor e esperando pela hora de partir.

Com um alegre “viva”, e um último carinho em Rom-rom, Bruce e seu pai saíram do portão para a estrada, e logo começaram a subir a estrada adicional que os levaria à parte alta da planície do Deserto de Gobi. Em menos de uma hora, estavam mais próximas e mais brilhantes.

O carro seguia pela escuridão, e o dirigir requeria muito pouca atenção. Bruce sentado no banco da frente com seu pai adormeceu um pouco, e o ronco contínuo do motor parece que estava embalando o pai em uma sonolência, também; mas não foram muito longe porque o carro caiu em um declive que levava a um desfiladeiro profundo. O caminho defeituoso e a sacudidura acordaram o pai, que olhando ao redor logo viu que tinham saído da estrada. Ao invés de viajarem para o sudoeste, estavam indo direto para o Este, e naturalmente logo estariam em áreas desconhecidas.

“Bem”, disse o pai, “acho que cochilei um pouco e não sabia para onde estava guiando. Eu nunca tinha visto esse desfiladeiro antes”.

“Como você sabe?”, perguntou Bruce, “existem tantos desfiladeiros, como você pode saber qual que já viu e qual não viram?”.

“Você precisa ter certeza”, respondeu o pai, “estou acostumado com os que já vi, e nunca estive neste desfiladeiro antes”.

“Você sabe em que direção está o norte, pai?”.

“Não, mas sei uma maneira que podemos descobrir”.

“Mas você não tem uma bússola”, disse Bruce.

“Não”, replicou o pai, “vamos nos guiar pelas estrelas”.

“Pelas estrelas!”, exclamou Bruce, “como, se todas estão no céu! Como pode se guiar por estrelas?”.

“Certamente podemos, filho; os marinheiros nos grandes navios que atravessam os oceanos calculam sua localização corretamente, olhando para o céu e localizando certas estrelas. Embora não estejamos no mar, estas grandes planícies são exatamente como um oceano, e nós também podemos calcular nossa localização, e encontrar o caminho certo pelas estrelas. Primeiro precisa encontrar a Estrela Polar, a Estrela do Norte, e seguir a linha até onde estão agora. Depois identificando outras constelações, e encontrando a relação com outras estrelas, podemos ter uma direção geral e saber como devemos proceder para encontrar um certo ponto no mapa”, explicou o pai.

“Isto é muito interessante”, disse Bruce. “Eu lembro que o primeiro capítulo de Gênesis nos fala que quando Deus criou o céu e a Terra, Ele mandou que aparecessem os luminares no céu, e a Bíblia nos diz que eles deveriam servir de sinal para as estações, para os dias e para os anos; mas eu não sabia que também poderiam nos ajudar a encontrar o caminho quando estamos perdidos”.

“Sim, Bruce, você não se lembra da história na Bíblia, quando os magos foram guiados por uma estrela, através do deserto até Belém, para encontrar o Menino Jesus?”.

“Ah, sim, eu me lembro desta bonita história; e sabe, pai, acho que você é igual aos magos, vai encontrar nosso caminho neste deserto através de uma estrela”.

Muitas vezes a Bíblia nos fala sobre as estrelas. Você mencionou Gênesis, onde está escrito que os luminares do céu deveriam servir de sinal. Quando Jesus esteve aqui na Terra, Ele falou sobre os sinais no céu. Um dia Seus discípulos perguntaram quando Ele voltaria a Terra, e Ele disse que haveria sinais no Sol, na Lua e nas estrelas para mostrar que Sua volta estaria perto.

“Pai, isso já aconteceu?”.

“Sim, filho, o último destes sinais aconteceu há 100 anos atrás quando houve uma chuva de estrelas cadentes. Parecia como se do céu estivessem chovendo estrelas. Por aquele e por outros sinais, podemos saber que Jesus voltará muito em breve. E assim, as estrelas não somente nos ajudam a encontrar nosso caminho aqui neste deserto, mas também sinalizam a volta de Jesus”.

E assim, guiados pelas estrelas, papai e Bruce logo encontraram a estrada correta novamente, contente por Deus ter colocado as estrelas no céu para orienta-los no caminho certo.

0 comentários:

 
Namablogkamu is proudly powered by Blogger.com | Template by o-om.com